#Projeto365

Eu sou a pessoa mais frustrada da vida por nunca conseguir completar um projeto sequer. Quer dizer, não digo projetos de um modo geral, mas esses que a gente se coloca uma meta no início do ano e acaba largando no decorrer, sabe? Acho que já tem uns 2 ou 3 anos que tento fazer aqueles projetos fotográficos mês a mês, e sempre acabo desistindo lá pela metade do primeiro mês, esqueço que existe instagram e essas coisas costumeiras.

Este ano, porém, tive a ideia de me enfiar no 365 dias. Esse, pelo que dizem, é um dos mais difíceis de cumprir, primeiro porque a vida é monótona demais pra gente se inspirar em tirar fotos todos os dias, segundo porque se preocupar com esse tipo de projeto é cansativo. Mas eu parei pra pensar em um fato interessante: de toda a sua vida, quantos dias você realmente lembra com detalhes? Quantas coisas você se recorda de ter feito e dizer que, por mais simples que tenha sido aquele dia, ele realmente teve um momento importante, singular ou algo que te fez sorrir nem que seja por poucos segundos? Exatamente… A gente tem a tendência chata de guardar os momentos desagradáveis, e esquece que os dias ruins não são feitos totalmente de momentos ruins.

Pensando nisso, eu decidi me aventurar. Apesar de adorar fotografia, eu não sou alguém que tá sempre apontando a câmera pra todos os cantos e clicando, então esse desafio vai ser bastante complicado pra mim, primeiro porque exige a criação de um hábito que eu não tenho, que é tirar fotos com constância e atualizar o instagram. Segundo porque eu sou aquele tipo de pessoa com tendências pessimistas, o que também envolve a criação de um novo hábito que é ver o lado bom das coisas.

  • conceitual
  • Its a new dawn its a new day its ahellip

Como funciona?

Bom, agora que nós já entendemos porquê eu decidi me enfiar nisso, que tal falar sobre o projeto?

Como eu já disse, o projeto consiste em basicamente tirar uma foto por dia, durante 365 dias, e publicar em uma rede social (normalmente instagram, facebook e flickr, mas nada impede de você escolher qualquer outra) com as devidas tags e legendas.

Tenho que começar no primeiro dia do ano?

Veja bem, eu tenho tocs, então achei que seria justo começar isso no dia 1º de janeiro (já que só a ideia de começar no meio do ano já me causa desconfortos), junto com todos os demais projetos que eu decidi iniciar nessa mesma época. Mas nada impede da pessoa começar em outubro, por exemplo. Não é um projeto com muitas regras, na verdade, eu acredito que a principal regra é se divertir.

Esqueci de postar uma foto hoje, preciso abandonar o projeto?

Não! Existe dias em que realmente nossa cabeça está em outro lugar e você simplesmente esquece de algumas coisas, só por isso precisa abandonar o que estava fazendo? Não faça como eu em anos anteriores, afinal o intuito disso é se divertir e não tornar o projeto uma obrigação. Caso você se esqueça de postar a foto em um dia, você pode simplesmente pular aquele dia e continuar contando do seguinte (o que vai fazer o seu projeto durar um pouco mais do que 365 dias), ou compensar postando duas fotos no próximo. Não tem problema. A brincadeira é sua e você leva do  jeito que quiser, ok? Ok!

Mas Gigi, uma foto por dia é muito! Não pode ser mais light?

Claro que pode. Se você acha que o compromisso de fazer uma foto por dia é muito, você pode se enfiar em outros projetos. Exite inúmeros blogs como a Fat Mum Slim e a Lominha, com suas tags #PhotoADay e o #TheFabulousProject, que consistem em criar temas para suas fotos diárias, e são desafios mensais inspirados em listas que elas postam em seus blogs e instagram.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Além disso, se 365 fotos é muito pra você, existe o Projeto 52 semanas, onde você só publica uma foto por semana. Dá pra todo mundo brincar de todos os jeitos.

Se você quer saber mais sobre o projeto e, quem sabe, até começar o seu, você pode entrar nos grupos do Flickr ou Faceboook dedicados à troca de figurinhas ou acompanhar a galera que também participa. Tem também o site 365Project, onde você pode se divulgar.

 

Pseudo intelectual, aspirante a fotógrafa, curiosa por natureza, cheia de ideias revolucionárias que nunca vão chegar a lugar algum. Gosta de filmes de terror, séries dos mais variados tipos e livros dos mais distópicos possíveis. Caiu na besteira de querer ser programadora, mas depois de um tempo foi fazer publicidade e hoje ganha a vida resolvendo problemas que as pessoas não sabiam que tinham. Já tentou ser mestre pokémon, não gosta de princesas e não sabe ser uma menina meiga. Apaixonada por mitologia, vampiros e qualquer outra coisa sobrenatural. Fala mal de tudo, inclusive das coisas que gosta.

Deixe uma resposta