A estratégia nas estrelas

StarCraft é uma franquia antiga que entrou no mercado para disputar com o grande título do gênero de estratégia Age of Empires. Com um tema completamente diferente, levando a era medieval do concorrente à era moderna, tecnológica e espacial, StarCraft conquistou muitos fãs. Há alguns anos foi anunciada uma nova versão do game, que seria uma sequência da história anterior, e ano passado finalmente foi lançado o StarCraft 2: Wings of Liberty. Assim como na versão antiga a nova versão será composta por uma trilogia, contando o que aconteceu com as três raças existentes no jogo. A empresa responsável pelo título é a Blizzard, conhecida por outros famosos games como WarCraft, World of Warcraft e Diablo. Há poucos dias resolvi entrar na onda e comprei a versão digital de StarCrat 2 para ver do que se tratava.

Não conheci a versão antiga de StarCraft, portanto é complicado falar sobre a história. Pelo que pude perceber, durante a campanha e os vídeos de introdução, é que alguns criminosos terráqueos haviam sido colocados à bordo de espaçonaves, em estado hibernativo, controladas por sistemas robóticos em direção a novos mundos enquanto o planeta Terra sofria com a corrupção e a superpopulação. O objetivo era livrar a Terra o quanto fosse possível das piores ameaças ao governo enquanto os criminosos eram usados em testes. Com isso a Terra ficou para trás, perdida devido à distância atingida. Um mal funcionamento no sistema das espaçonaves foi responsável pela perda das coordenadas e elas não tiveram outra opção a não ser pousarem no planeta mais próximo que encontrassem. Foi quando chegaram a um setor espacial específico, do qual seria melhor não terem chegado. Nesse setor, chamado Koprulu, existia uma raça alienígena psiônica, bastante avançada tecnológica e espiritualmente, chamada Protoss. Eles se consideravam superiores e supervisionavam vários planetas daquela área. Os Protoss já haviam sido guiados e melhorados por uma raça ainda mais antiga e superior no passado, e após um grande conflito interno, que abrangeu uma guerra civil em seu planeta natal e ataques contra seus criadores, acabaram decidindo por fazer o mesmo que seus “deuses” após eles terem ido embora. Durante essa supervisão os Protoss encontraram, sem querer, uma outra raça alienígena totalmente diferente dos padrões que eles conheciam. Essa outra raça era um insectóide, bastante avançada biologicamente, parasitando e infestando tudo o que via pela frente. Esses eram os Zergs, que assim como os Protoss foram melhorados pelos mesmos seres avançados do passado, se tornando assim os maiores inimigos dos psiônicos e dos terráqueos.

Para conhecer melhor a história por trás do game, aconselho procurar materiais sobre o assunto. Existem até mesmo quadrinhos da franquia. Talvez o próprio jogo seja uma outra forma de melhor entendimento, seja o StarCraft original ou o Wings of Liberty que faz uma leve introdução e resgata alguns acontecimentos anteriores. Para fazer isso é muito fácil, basta acessar o site da Blizzard e adquirir a versão digital, como eu fiz. Pode ser feita a compra parcial, por um valor inferior (R$ 19,90), onde serão dados 60 dias de uso, ou a compra total. Após o término do período da compra parcial é só adicionar mais 30 dias pagando uma mensalidade de R$ 9,90 ou comprar a versão ilimitada (total), que lhe dá o direito de jogar enquanto o game existir. Também existe a versão física do game, mas estou por fora dos valores. Todas essas informações podem ser vistas no site oficial.

O game em si é bastante simples. Qualquer game de estratégia possui ações básicas. Reunir recursos, construir estruturas e formar exércitos. Tudo passa do básico quando se entra em batalha, onde é a hora de ser um bom estrategista e conhecer bem as funções de cada unidade que possui. Em StarCraft 2 é possível escolher entre as três raças citadas. Os terranos (terráqueos), os Protoss e os Zergs. Ninguém sai perdendo. Algumas unidades são mais fortes que as outras, variando as raças, portanto basta saber o que está fazendo. Isso é conseguido com o tempo, não adianta tentar jogar um dia e querer ser o bonitão do pedaço. Primeiramente você levará uma coça, só depois disso poderá dar uma coça nos outros. Um sistema muito útil para aprender a jogar é utilizando os replays das partidas. Ao término de cada rodada basta acessar o acervo de vídeos e acompanhar a evolução de seu adversário.

StarCraft 2 possui duas formas de jogabilidade. Uma é a campanha que lhe dá visão geral do que está acontecendo entre as raças e a outra são as disputas online contra outros jogadores. Existe um sistema de realizações para cada jogador ir somando pontos, seja em partidas single ou multiplayer. Existe também um ranking geral, dividido entre os servidores norte-americano, latino-americano e europeu. Esse ranking usa um sistema que introduz o jogador a um nível aconselhável a sua habilidade. O nível bronze, o nível prata e o nível ouro (reservado apenas para os mais fissurados jogadores do universo). Antes de ser introduzido a um dos rankings é possível realizar 50 partidas que não contam para a soma de pontos da liga, possibilitando um melhor treinamento. Também é possível jogar contra o computador, escolhendo níveis de dificuldade de fácil a brutal. Essa opção não soma pontuação nenhuma, nem realizações. Existe também uma opção extra chamada “Desafio”. Nela temos que criar algumas estratégias com um grupo limitado de unidades disponibilizadas pelo computador contra unidades inimigas já pré-definidas. Essa opção é muito interessante para sabermos quem é forte contra quem.

Os gráficos do game são maravilhosos, porém bastante puxados. Se deseja jogar com a qualidade no máximo é bom ter uma placa gráfica excelente e bem refrigerada. Muitos jogadores reclamaram de superaquecimento nos primeiros dias de lançamento. Se isso acontecer, basta mudar a configuração para média ou baixa utilização da placa gráfica. A experiência não será a mesma, mas pelo menos você matará a vontade. Outra coisa importantíssima a se dizer é que uma versão totalmente em português foi lançada pela Blizzard, o que favorece demais a nós brasileiros. Pode soar estranho ouvir um personagem de game falando em português, afinal não estamos acostumados a isso, mas acredito que isso facilitará a vida de muito marinheiro de primeira viagem. Eu adorei. Além de não forçar a procurarmos termos que não entendemos, muitas vezes já incorporados pela franquia.

Por enquanto é isso. Agora que viciei mesmo nesses jogos online só me resta aguardar o lançamento de Diablo 3. Quando esse dia chegar será oficial a minha “mesada” aos donos da Blizzard e sua família. O bolso tá ficando cada vez mais apertado!

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

Deixe uma resposta