O Que Era Bom e se Tornou Enjoativo

Muitas coisas são empolgantes no início, se tornam boas e logo em seguida ficam enjoativas. Isso acontece bastante com séries que se prolongam demais em temporadas, principalmente se a mesmice está presente. Essa mesmice pode ser, na maioria das vezes, aplicada no próprio roteiro, contendo sempre o mesmo clima, cenário, personagens e assuntos. Existem muitas séries que poderiam ser incluídas nesse post, mas as principais do momento são: How I Met Your Mother e The Big Bang Theory.

Há 6 anos, quando comecei a assistir How I Met Your Mother, fiquei bastante empolgado. Era uma série que me lembrava os bons tempos de Friends, mesmo sendo diferente em certos pontos. Aquele grupo de amigos, que se encontram em um lugar para por o papo em dia e moram perto um do outro. Além de serem ambas do gênero comédia. Isso me agradou até a 4° temporada, quando enfim desisti da série. Eu já estava cansado de ser “enganado”.

Em How I Met Your Mother existe um plot principal onde um pai de família se senta com os filhos – uma menina e um menino – para contar-lhes sobre sua juventude e como conheceu a mãe deles. Cada episódio começa assim, a partir de frases do tipo “Eu já lhes contei do dia em que o tio Marshall quase morreu?” ou “Eu já lhes disse sobre quando achei ter encontrado a mulher da minha vida?”. O episódio se constrói em um flashback, fazendo a estória ser contada.

Em toda temporada existe uma quase revelação de quem seria a mãe das crianças, e já que o pai, que nunca aparece, nos parece ser o personagem Ted, ficamos curiosos para descobrir esse segredo. Esse segredo, no entanto, nunca é revelado. Até entendo que sendo o maior mistério da série seria como entregar o ouro e provavelmente isso significaria o final dela. O fato é que já está na hora da série ter seu final, pois além de requentar velhas estórias e insistir em romances que terminam e recomeçam, acredito que todos, assim como eu, estejam cansados da mesmice e loucos para saberem de uma vez por todas quem é a maldita mãe.

How I Met Your Mother tem um excelente elenco, contando com o grande Neil Patrick Harris (Barney) e a maravilhosa Cobie Smulders (Robin), além de Josh Radnor (Ted), Jason Segel (Marshall) e Alysson Hannigan (Lily). Isso já é um grande alento quem a acompanha. Espero que esse grande mistério seja logo revelado, pois mesmo existindo o “talvez” de que a série termine, não acredito que os roteiristas, que já mostraram seus valores, sejam incapazes de criar um outro elemento para segurar a audiência. Costumo dizer que a situação está pior que em Lost, que enrolou, mas encerrou tudo na sua 6° temporada. Agradando uns e desagradando outros. Acontece.

The Big Bang Theory tem o mesmo problema de mesmice, mas que não sofre tanto quanto How I Met Your Mother. O roteiro de TBBT é muito mais fácil de ser moldado e possibilita várias opções de novidades. Para começar não existe um mistério. A mesmice que me incomoda em TBBT é o que envolve o relacionamento entre Leonard e Penny, um dos protagonistas nerd da série e sua vizinha gostosa.

Será que é necessário falar sobre o que TBBT trata? Bom, é uma série que apresenta dois amigos nerds, que moram juntos em um apartamento, e um dia descobrem que tem uma nova vizinha, totalmente diferente deles. Já ri bastante assistindo essa turma, mas chegou a um ponto que nem as piadas e as referências me encantavam ao ponto de ir atrás de um novo episódio. Acompanhei o namoro desses dois, eles deram um tempo, depois fiquei sabendo que voltaram e já me disseram que terminou de vez agora. Será mesmo? Isso me lembra Gossip Girl e Dawson’s Creek em universos paralelos.

O grande diferencial entre uma série e outra é que uma está no ar há menos tempo que a outra e também tem a possibilidade de inclusão de elementos mais fáceis, o que rende o interesse de muitas pessoas. Se eu assistir um episódio avulso de qualquer uma delas tenho certeza que irei rir, senão gargalhar. O problema está em acompanhá-las. Tem melhores opções para fazer isso. Aliás, muitas.

Se for para escolher uma das duas, escolho The Big Bang Theory. Mas nunca voltarei a acompanhar. Assistirei quando der na telha…

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

3 Comments

  • Thaís Leicam

    11 de abril de 2011 at 12:09 pm

    Eu não vi os últimos 4 episódios, mas pelo o que vi posso dizer que está cansativa SIM!
    O personagem do Neil (barney) está levando a série nas costas, e eu ouvi que teriam confirmado mais duas temporadas.
    Isso é pedir pra eu abandonar.
    Já nem ligo mais pra quem é a mulher do Ted, só quero que termine antes que fique realmente insuportável.

    Responder
  • Robson Assis

    15 de junho de 2011 at 10:27 am

    Não sei exatamente de quando é esse post, mas venho aqui em defesa de How I met your mother que considero uma série que vai muito além de saber quem é a mãe das crianças ou a mulher do Ted. É uma série sobre uma fase da vida. Cara, tem tanta reflexão boa e construtiva nessa série que eu não consigo nem saber por onde começar. Por mais que digam que é uma série de comédia sobre como Ted conheceu sua mulher, é possível enxergar muito mais que um monte de piadas e um plot. Como em Friends, não queremos que eles amadureçam, envelheçam ou mudem de vida, mas sabemos que tem de acontecer. Acho que esse é o motivo da sexta temporada, ou dá sétima, não sei se confirmaram. Porque é uma série sobre a vida e acho que as pessoas que vivem ou viveram o que se passa na série conseguem encontrar um gancho e uma relação muito maior. Não apenas como um simples mistério a desvendar entre piadas e flashbacks. Não assisto filmes e séries só para saber o que vai acontecer, mas também para refletir sobre o que aconteceu, tirar conclusões e criar teorias na minha cabeça sobre aquilo que está sendo contado. Acho que esse papo de desligar a mente não tem lá muitos benefícios.

    De qualquer forma, seu argumento é de um fã de séries, não de boas histórias.

    Responder
  • GuXta

    16 de junho de 2011 at 12:39 pm

    Eu até entendo seu ponto de vista, Robson. Assim como fã de séries, e principalmente de cinema, tb me importo com uma boa estória – amo de filmes do Woody Allen, por exemplo. O problema é que, por mais que tenha uma mensagem e que o interessante seja acompanhar a vida daquelas pessoas, How I Met Your Mother – para mim, claro – se tornou insuportável.

    Quando eu sinto que uma série está tentando me enrolar, seja segurando o plot principal (querendo ou não, existem plots, mesmo que esses sejam mudados) ou seja por uma sequência de “vai, não vai” e “vai e volta”, perco o interesse. Eu tentei assistir a série, mas ela se tornou repetitiva para mim.

    Como a Thaís bem disse, é melhor terminar bem que se prolongar para algo insuportável. Claro que isso não é regra. Tenho um amigo que ainda adora a série, assim como vc.

    O fato é que: se eles não insistissem tanto na tal esposa, aí tudo bem. Mas eles nos fazem de idiotas quando nos dão a entender que “agora vai” e no fim, “não foi…”. O que quero dizer é isso… criação de expectativa. Não sei os números da série atualmente, mas aposto que a audiência caiu desde a estreia.

    Responder

Deixe uma resposta