Copos Cheios, Palavras Vazias (IV)

Hoje, no espelho, vi um cara que eu jurava não se parecer com quem eu julgava ser. Sempre tive gosto por me olhar, sempre me julguei um homem bem apessoado. Mas o cara do reflexo era um vulto do que eu julgava ser. Olhando para o meu fantasma, não sabia nem há quanto tempo que eu não fazia a barba. Ou que não tomava um banho decente.
Que tipo de mulher, em juízo perfeito, ou em juízo levemente alcoolizado, toparia ir por gosto para a cama com um traste daquele?
O que aconteceu comigo que eu não me senti mudar, nem vi a transformação ocorrer no meu próprio rosto?
E num momento, como um vislumbre de uma certeza de que eu não queria lembrar, um nome me surgiu na mente, como que pra me aborrecer apenas. Marina.
No momento seguinte, em mais um pingo da loucura da minha cabeça, eu ouvi meu velho pai, sentado no sofá da sala, resmungando comigo. “É o que dá, se deixa levar por essas sacanas, elas te prendem, moleque. Se enxerga agora. Quase dá pra ver a marca dos dentes dela, moleque.”
Engraçado, meu pai vivia dizendo que algumas poucas mulheres possuem uma mandíbula nos grandes lábios e que, no momento mais oportuno, mordem-nos onde mais dói. E não soltam nunca mais. Mais engraçado é que toda vez que eu penso na Marina, eu sinto como se uma dentadura invisível me abocanhasse com força no saco.
Que merda, o velho tava certo.

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

Deixe uma resposta