Californiaaaaaaa!

“California here we come, Right back where we started from, Californiaaaaaaaaaaaaa… Here we come!…”

Toda vez que eu ouvia esses versos ficava vidrada na TV, a abertura da serie The O.C.- Um Estranho no Paraíso, pode não ser uma das melhores (esteticamente falando), mas a música da abertura gruda na cabeça e não sai mais. Acho que ela deve ser o único hit da banda underground Phantom Planet.

E, além disso, The O.C foi uma das séries que mais me marcaram, pois eu só ficava ouvindo as pessoas falarem que nenhuma série retratou tão bem o universo jovem quanto a lendária “Barrados no Baile”, então nos meados de 2003 surge The O.C., um dos primeiros trabalhos do ultra-mega-power produtor de TV, Josh Schwartz (o cara que nos deu Gossip Girl e Chuck). Eu nem era adolescente na época, mas me apaixonei pela serie (o que só aumentou minha vontade de deixar de ser criança).

A história gira em torno de Ryan Atwood  (interpretado pelo bonitão do Benjamin McKenzie), um jovem com um pé no mundo dos crimes que recebe ajuda de um denfensor público e é adotado por ele e sua família. Até aí a história de The O.C. parece ter saído de um livro de auto-ajuda, mas o enredo da série retratou tão bem os “dilemas” do mundinho adolescente da costa oeste americana que gradativamente foi batendo recordes de audiência nos E.U.A. e, posteriormente, em outros países.

Outro ponto forte de The O.C são os personagens secundários, o próprio Josh confessou que sem o romance maluco de Seth Cohen e Summer, The O.C não seria nada e eu tenho que concordar com ele, Seth é o meu personagem favorito (acho até que ele foi uma das inspirações de Josh Schwartz e sua equipe na criação da serie Chuck). Sem falar nas frases dele, eu chorava de rir com as pérolas que ele soltava, coisas do tipo: “Eu não consigo dizer eu te amo para outro homem, mas eu também tenho um grande afeto por você” ou essa outra: “Calma! Não vamos jogar o bebê fora junto com a água da privada”.

A série foi um sucesso total durante as três primeiras temporadas, até que Josh e sua equipe fizeram uma das maiores burradas da história da TV: mataram Marissa Cooper. Eu nunca fiquei com tanta raiva de uma serie de TV. Como se já não bastasse, a história de The O.C. foi piorando gradativamente, até que a FOX cancelou a série antes do fim da quarta temporada. Os fãs só viram o final derradeiro quando a quarta temporada saiu em DVD.

Tirando esse enorme ponto fraco, a série tem uma das melhores trilhas sonoras da história da TV, mesmo com o fim de The O.C. foram lançados dois CDs com as melhores músicas que tocaram ao longo das quatro temporadas.

Mesmo depois de ter experimentado o sucesso e a revolta de fãs com The O.C., Josh não desanimou e resolveu continuar com um projeto que substituísse o vazio no coração de milhares de fãs revoltados, e se empenhou na adaptação de Gossip Girl para a TV. Gossip Girl não substituiu The O.C., mas conseguiu conquistar adolescentes que na época de The O.C. ainda eram crianças.

E sem duvida todo o produtor de TV que tenha um projeto de série adolescente para por no ar, deve ter como exemplo The O.C. (um exemplo que tem pontos para serem seguidos e pontos para não seguir de jeito nenhum). Vamos ver se esses produtores pensam duas vezes antes de matar algum personagem!

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

6 Comments

  • Gih Leigh

    9 de novembro de 2010 at 10:28 am

    Na verdade, antes da banda Phantom Planet lançar o hit que estourou como trilha principal da série, seu som já havia feito sucesso em Smallville, mas pouca gente sabe disso e a música Lonely Day é uma das minhas favoritas sendo, na minha opinião, até melhor que California.

    Eu acompanhei a série no começo, costumava assistir com o meu pai, mas acabei perdendo o “fio da meada” e o interesse também… em um belo dia fui ver de novo e a Marissa havia morrido e havia uma irmã que eu não me lembrava de ter sido citada, então também achei o final uma tremenda desilusão, mas sabemos que a personagem só foi morta porque a dona Mischa queria sair da séria para ampliar sua carreira.

    Excelente post… tenho que voltar a comentar mais!

    Responder
  • Gih Leigh

    9 de novembro de 2010 at 7:13 pm

    é pq na época vc já era adolescente e nós inocentes crianças felizes que curtiam séries de drama adolescente, mas vc já tinha seus próprios dramas, sacoé? SHAUHSUAHSHAUHSUAHUSAHUSAH

    Responder
  • GuXta

    9 de novembro de 2010 at 8:25 pm

    Lá vem a Gih querendo me derrubar de novo por causa da idade… Sei lá, eu poderia tentar explicar pq não gosto de The OC, mas em alguns pontos eu entraria na questão Gossip Girl. Mesmo assim vou tentar!!! UIAHUIhauihaUIHia

    Muitos dizem serem parecidos, mas não é. Talvez alguns elementos sejam próximos, sendo que não posso falar da construção de personagens, ambientação e etc. pq não assisti mais que uns 5 episódios de The OC (a maioria pela metade). Só sei que ambos caem no tema da high society, com a diferença das localidades. Me parece que os ricos do subúrbio são mais “cheguei” e mimados que os da cidade grande (com exceção da Blair de GG).

    Gossip Girl pode ter parecido interessante no começo, mas hoje em dia anda um porre. Porém, assim como para muitos que ainda assistem, se tornou um vício, e eu não consigo parar de acompanhar. Tenho duas teorias para o motivo disso acontecer: 1 – Blake Lively (pela beleza da atriz), 2 – Chuck Bass (pelo puta personagem). É um tal de “vai, não vai”, “fica, não fica” que enche o saco. E assim como pessoas – eu – que odeiam The OC, existem as pessoas que odeiam Gossip Girl. Eu tenho absoluta certeza que The OC tem seus pontos positivos, mas como eu disse, não gostei o suficiente para pegar seu ritmo.

    A verdade é que a Gih tem um pouco de razão. Em 2003 eu já estava com 17/18 anos (não sei em que mês estreou) e minha atenção se voltava para outros tipos de séries. Porém, hoje, com 25, assisto Gossip Girl (desde os 22 anos), o que quebra um pouco essa regra da idade. Talvez o drama de GG, que foca Bass, seja mais adulto que os dramas de OC, pq os demais dramas são todos adolescentes mesmo, com um alto teor de “mimimi”.

    Se alguém souber me explicar melhor essa diferença na minha cabeça, sinta-se à vontade.

    Mais um comment gigante para a coleção!

    Responder
  • Lena Victim U2

    10 de novembro de 2010 at 12:56 pm

    Maldada Lidy tadinhos dos meninos do Phantom,também ops conhecia a um tempinho antes da série.Tem outras músicas muitas boas desse mesmo album que contém California,chamado The Guest.Always On My Mind é uma que adoro,um outro album bacana deles é Negatives ,Do The Panic é melhor,adoro.
    Quanto as séries também vejo muita diferença,mesmo se tratando desse meio High Society como citou o Guxta as séries tem focos diferentes acho até que Gossip Girl chega mais perto da realidade que The O.C.
    Eu juro que tentei acompanhar ambas,detestava -as no início mas acabei me acustumando,me apegando a alguns personagens.Mas eu sou chata pacas né,e até hoje somente algumas (bem poucas) série conseguiram me prender fielmente.

    Responder

Deixe uma resposta