The Perks of Being a Wallflower

Autor: Stephen Chbosky
Ano: 1999
ISBN-10: 0671027344
ISBN-13: 978-0671027346
Editora: MTV Books
Editora no Brasil: Não foi lançado no Brasil 🙁
Assunto: Young adult novel/ Epistolatory novel
Páginas: 213

Sinopse: “The Perks of Being a Wallflower” é um romance contado em forma de cartas endereçadas para um amigo  anônimo. O personagem principal,Charlie, é sincero e sensível, e sofre de episódios de depressão provocada por uma lembrança reprimida de algo que ele sofreu quando era ainda criança.

Seu melhor amigo se suicida antes do início do ano letivo, e assim ele conhece os irmãos Patrick e Sam que apóiam a sua individualidade e amor pela literatura, música e poesia.

A história de Charlie contém pedaços da história de qualquer leitor. O estilo do romance pode tocar em vários temas como a experimentação de drogas e álcool, sexualidade, fazer amizades, relações familiares e perdas, mas não se fixam em nenhum tópico específico. Essa falta de foco é o que torna a história tão real e verdadeira para quem a lê.

Em alguns momentos você sente como se fosse o amigo anônimo para quem Charlie escreve, em outros você se sente como se fosse o próprio Charlie.

E aí?: A primeira coisa que eu devo falar é: Leia esse livro, ele é incrível. Entenda, eu sou uma pessoa que lê muito (não diga), pelo menos 4 livros por mês, então de tudo que eu leio poucos saem da categoria “leitura de passatempo” para o status de “livros que mudaram sua vida”. Perks deve ter entrado nesse status depois da segunda página.

Ok, talvez “mudar sua vida” possa soar meio estremo, mas eu não estou considerando apenas o fato do livro te trazer coisas novas (porque isso todo livro faz em menor ou maior escala), mas sim o fato de ele te fazer rever coisas antigas e enxergá-las de um novo modo.

“The Perks of Being a Wallflower” é um livro que tocante que faz o leitor sentir como se estivesse lendo sua própria história.

É impossível não se identificar com o personagem principal quando ele faz “mixtapes” (quem nunca fez isso? gravando as músicas preferidas do rádio?) ou quando ele diz coisas como “É estranho, porque às vezes, quando eu leio um livro, eu acho que eu sou a pessoa do livro”.

Na verdade, “The Perks of Being a Wallflower” é o tipo de livro que você tem vontade de transformar cada parágrafo em um quote. Ou pôster. Ou tatuagem.

Outra grande coisa são as várias referências a outros livros, filmes e músicas que ajudam ainda mais a criar um ambiente “familiar” para a história:

Literatura

To Kill a Mockingbird by Harper Lee
This Side of Paradise by F. Scott Fitzgerald
Peter Pan by J.M. Barrie
The Great Gatsby by F. Scott Fitzgerald
A Separate Peace by John Knowles
The Catcher in the Rye by J. D. Salinger
On the Road by Jack Kerouac
Naked Lunch by William S. Burroughs
Walden by Henry David Thoreau
Hamlet by William Shakespeare
The Stranger by Albert Camus
The Fountainhead by Ayn Rand

Filmes e Programas de TV

Rocky Horror Picture Show
The Graduate
Harold and Maude
My Life as a Dog
Dead Poets Society
The Unbelievable Truth
This Side of Paradise
It’s a Wonderful Life
Reds
The Producers
Hannah and Her Sisters
M*A*S*H
Saturday Night Live

Música

“Asleep” by The Smiths
“Vapour Trail” by Ride
“Scarborough Fair”, a traditional folk song popularized by Simon and Garfunkel
“A Whiter Shade of Pale” by Procol Harum
“Time of No Reply” by Nick Drake
“Dear Prudence” by The Beatles
“Gypsy” by Suzanne Vega
“Nights in White Satin” by The Moody Blues
“Daydream” by The Smashing Pumpkins
“Dusk” by Genesis
“MLK” by U2
“Blackbird” by The Beatles
“Landslide” by Fleetwood Mac
“Smells Like Teen Spirit” by Nirvana
“Another Brick in the Wall Pt. II” by Pink Floyd
“Something” by The Beatles
“School’s Out” by Alice Cooper
“Autumn Leaves” by Nat King Cole
“Broken Wings” by Mr. Mister

Enfim, esse livro é um daqueles que entra na lista “Coisas para ler antes de morrer”. Até a próxima segunda com mais um BookWorms!

4 Comments

  • GuXta

    18 de outubro de 2010 at 5:06 pm

    Provavelmente não é um livro engraçado. Aliás, com certeza não é, pelo menos pela sua descrição eu percebi isso. Mas não pude evitar de rir com essa imagem que você postou. Além do trecho que vc envolveu de vermelho, a parte do avô é hilária. Cheios de “and then…” e etc. como uma bola de neve. Se o restante do livro for exatamente assim, numa linguagem informal e fácil de ler, com certeza é um ótimo livro.

    Vlw pela dica!

    Responder
  • Lena Victim U2

    6 de dezembro de 2010 at 11:16 am

    Fiquei cheia de vontade ler,quero mesmo pegar um livro em inglês pra ler.
    Vou dar uma procurada por aqui,aproveitar esse fim de ano cheio de comemorações chatas e o início do ano que vem também né,já que até março nada anda!
    Mais uma vez,adorei muito o post,me deixou muito curiosa,como sempre você deixa a todos que leem suas dicas de livros!

    Responder
  • Ka Lopes

    11 de setembro de 2011 at 11:34 am

    Procurei saber sobre o livro depois que vi que ele iria virar filme com um dos meus atores favoritos. Gosto de histórias assim: sensíveis, tocantes e que, de certa forma, mudam a sua vida!
    Parabéns pela linda resenha!

    Um beijo

    Responder

Deixe uma resposta