No dia mais claro, na noite mais densa…

Para início de conversa, devo deixar claro que não sou nenhum expert em quadrinhos. Muito menos no herói em questão. Sou apenas um recente apreciador das páginas da DC e do Lanterna Verde. Claro que como qualquer guri, na minha infância li quadrinhos do Batman, Super-Homem, Homem-Aranha, X-Men, e por aí vai. Nunca me aprofundei ou me tornei fanboy, mas existem alguns arcos de histórias que são imperdíveis.

Minha atenção se voltou para o Lanterna Verde quando o título A Noite mais Densa começou a circular na internet. Nunca me interessei pelas histórias desse super-herói, mas após pesquisar melhor acabei descobrindo uma criação bastante rica e mãe de ótimos roteiros. Cheguei, então, no atual arco publicado no Brasil, pelo qual já mencionei acima, e fiquei louco para ler. Não é a toa que torrei o dinheiro todo do mês em quadrinhos, pois alguns já se encontravam atrasados. É complicado explicar do que se trata exatamente A Noite mais Densa, mas posso tentar.

Antes seria bom falar do super-herói. O Lanterna Verde, na verdade, não é único. Ele faz parte de uma espécie de polícia espacial, que cuida da segurança do universo, dividindo ele em setores. Sendo assim, é normal a maior parte dos Lanternas Verdes serem seres extraterrestres. Os poderes desses guardiões é gerado através de um anel, que consegue criar formas físicas através de uma matéria verde que é projetada do artefato. Esse anel precisa sempre ser recarregado, e sua força vem de um gerador central, criado há muito tempo para fins benéficos. O primeiro Lanterna Verde humano, pelo menos da era atual, foi um piloto de testes chamado Hal Jordan. Ele foi escolhido pelo próprio anel, quando o antigo dono caiu na Terra após ser atacado. Seu nome era Abin Sur, e acabou morrendo. Na Terra o Lanterna Verde faz parte da Liga da Justiça. Após Hal Jordan, outros Lanternas existiram, até o atual John Stewart. Fechando esse pequeno resumo, posso falar um pouco do arco citado.

A Noite mais Densa é uma saga que gera uma grande luta entre o bem e o mal. Nessa disputa, são conhecidos outros tipos de Lanternas, de várias cores. A coisa fica bem colorida, lembrando um pouco a detestável banda Restart, mas fora isso, é bem legal. Existem sete cores: Verde (força de vontade), Amarelo (medo), Vermelho (ira), Laranja (cobiça), Azul (esperança), Violeta (amor) e Índigo (compaixão). Além dessas cores, existe o bem e o mal. Branco e Negro. Os Lanternas Negros são compostos pelos mortos, que são vilões em busca de vingança, ou super-heróis, influenciados pela energia Negra. O Batman, por exemplo, morto um pouco antes, durante a Crise Final, aparece como Lanterna Negro.

Uma dica para quem quer acompanhar o arco aqui no Brasil, que está atualmente sendo publicado pela editora Panini e se encontra no n° 3, é ler algumas edições anteriores, para poder se integrar melhor no que está realmente acontecendo. Existem dois arcos, também da Panini, chamados Renascimento e A Guerra dos Anéis. É possível ir mais além e buscar mais material antigo, mas não é necessariamente importante. É bom lembrar também que acompanhar apenas as edições de A Noite mais Densa não basta. O correto é ler as três edições mensais: A Noite mais Densa, Lanterna Verde e Universo DC (a partir do n° 2).

Em Renascimento narra-se a reconstrução da Tropa dos Lanternas Verdes, formada por humanos, antigos donos do anel, pelo atual dono e por Kilowog, um extraterrestre, antigo amigo de Hal Jordan. Nela descobre-se fatos muito importantes para o um bom acompanhamento e entendimento de tudo que está por vir. Já em A Guerra dos Anéis encontramos um grande inimigo de Hal Jordan e todos os Lanternas Verdes do universo: Sinestro. Ele andava sumido, e nesse arco volta com sua tropa recém formada de Lanternas Amarelos para se vingar e destruir os guardiões do universo. Sinestro já foi um guardião do universo e portou um anel Verde, além de ser o mentor de Hal Jordan, mas por desejo de poder e recusando-se a aceitar ordens dos Anciões de OA, – planeta de origem dos anéis – acaba se tornando ditador de seu planeta natal e é aprisionado no universo de antimatéria. Porém, após fazer amizade com seres desse universo, é presenteado com o anel Amarelo, tornando-se a partir de então o maior vilão da franquia.

Comecei a ler a saga há poucos dias, mas já vou me firmando um verdadeiro fã. Não só dela, mas do super-herói. Atualmente está sendo filmado um filme que será baseado nele. Ryan Reinalds foi escolhido para ficar a cargo do papel. Estou um pouco receoso com a escolha, já que o ator não teve grandes testes em sua carreira. sabe-se que em comédias românticas ele se sai bem, resta saber como se sairá como Lanterna Verde. O longa está agendado para estrear em Junho de 2011. Nele será contada a origem do super-herói. Para quem já curte a franquia e já está ansioso pela estreia, uma outra indicação minha é o longa animado Lanterna Verde: O Primeiro Vôo. Acredito que o filme será mais ou menos parecido com a animação, tendo suas mudanças técnicas. Vale a pena assistir. Eu gostei bastante.

Se você gosta de quadrinhos do gênero, leiam Lanterna Verde. Caso prefiram os filmes, aguardem. Se você não vai com a cara nem de um, nem de outro, só me resta dizer para esperarem a próxima postagem. Tentarei acertar seu gosto. 🙂

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

One Comment

  • Lena Victim U2

    20 de setembro de 2010 at 3:11 pm

    A pessoa faz um mega resumo e ainda diz que ninguém gostou,surtado né ,só pode!
    Amei o post,posts que nos deixam curiosos quanto ao conteúdo e com vontade de conhecer mais são os meus preferidos.Mas o tempo não está a meu favor pra começar a lê-los o que é uma pena já que os filmes NUNCA são melhores que os quadrinhos ou livros.

    Responder

Deixe uma resposta