Duma Key

(Duma Key)

Autor: Stephen King
Ano: 2009
ISBN: 8539000326
ISBN-13: 9788539000326
Editora no Brasil: Objetiva
Assunto: Literatura Estrangeira – Ficção de Suspense e Ação
Páginas: 664

Sinopse: Um acidente em um canteiro de obras arranca o braço e a mão direita de Edgar Freemantle e embaralha sua memória e sua mente. A raiva é praticamente tudo o que lhe resta enquanto inicia sua recuperação. O casamento que gerou duas filhas termina de repente e Edgar começa a desejar não ter sobrevivido às lesões que quase o mataram. Seu psicólogo sugere uma ‘cura geográfica’, uma nova vida longe das cidades gêmeas de Minneapolis-Saint Paul e da empresa que ele construiu e sugere que Edgar também retome o hábito de desenhar. Ele troca Minnesota por uma casa alugada em Duma Key, uma bela ilhota e subdesenvolvida na costa da Flórida. Lá ele ouve o chamado do sol se pondo no Golfo do México e da maré chacoalhando as conchas na praia – e desenha. Uma visita de Ilse, sua filha mais querida, o incentiva a abandonar a solidão. Ele encontra um amigo em Wireman – um homem que reluta em revelar suas próprias feridas – e, posteriormente, em Elizabeth Eastlake – uma idosa cujas raízes estão fincadas em Duma Key. Edgar passa a pintar – às vezes de modo febril -, e seu talento se revela tanto uma dádiva quanto uma arma. Muitos de seus quadros têm um poder que não pode ser controlado. Quando os fantasmas do passado de Elizabeth começam a surgir, descobre o perigo que suas pinturas surreais representam.

E aí?: Uma das melhores coisas sobre Stephen King é que, até quando ele é bom, ele é ótimo. O que não é o caso de Duma Key, um livro que eu achei ótimo (bem melhor que Lisey’s Story – o caso ruim que é bom). Duma Key tem todos os elementos que tornam os livros de Stephen King víciantes: narração que faz você visualizar a história como se você estivesse lá, o sobrenatural tratado de uma maneira arrepiante e totalmente possível, os “parênteses de pensamentos” entre parágrafos, que muitas vezes trazem exatamente aquilo que você estava pensando no momento. E tem, também, os famosos e amados “easter eggs” – ligações ou personagens de outras obras, coisas muito freqüentes nas obras de King, mas que enchem os fãs de alegria. Como esses aqui na página de de Copyright:

Permission to use lyrics from “Dig” by Shark Puppy (R. Tozier, W. Denbrough), granted by Bad Nineteen Music, copyright 1986.

Alguém aí consegue identifica-los? 🙂

Life is more than love and pleasure,
I came here to dig for treasure.
If you want to playu you gotta pay
You know it’s always been that way,
We all came to dig for treasure.

Dig -Shark Puppy

2 Comments

  • GuXta

    31 de agosto de 2010 at 2:43 pm

    Há um bom tempo não leio nada do King. Aliás, tô por fora das novidades dele. O último que eu cheguei a olhar no site oi 'Cell' eu acho. É isso mesmo? Achei a sinopse bem interessante quando li.

    Um dia, quem sabe, eu leia esse livro. Tem tanta coisa na minha fila de leitura que eu me recuso a aumentá-la.

    Responder

Deixe uma resposta