Por que fizeram isso?

Hoje quero desabafar. Já começo perguntando: por que as vezes algumas produtoras insistem em fazer determinado filme? Tenho certeza que vocês concordam com isso. Há quem diga que não existe filme ruim, apenas filmes que não combinam com nosso gosto. Eu, por exemplo, não gosto de ação, então procuro não ver filmes desse gênero. Mas eu discordo dessa afirmação e digo que filmes ruins existem. E não são poucos.


Irei tomar a liberdade e usar um dos filmes mais comentados do momento para ilustrar essa afirmação. Na verdade são três filmes – até agora, no total serão cinco. E o escolhido é: Crepúsculo.


Eu sou uma pessoa que parte do princípio de que se você quer falar a respeito de algo, deve conhecer esse algo. Existem pessoas que criticam apenas pelo que escutam, e isso não tem fundamento algum. Após assistir ao primeiro filme dessa franquia, pensei em não assistir mais nenhum dos que viriam a seguir, só que os comentários foram tantos que resolvi seguir em frente. É possível que, mesmo com uma estória bem meia-boca, se consiga fazer um bom filme. Afinal, estamos falando de uma adaptação. Adaptar algo significa fazer certas mudanças, ainda mais quando se traz um livro para o audiovisual. Por isso, mudar elementos para que ele se encaixe melhor num filme não é nenhum crime. Claro que isso não envolve fisionomia, personalidades e outros elementos que devem permanecer, mas sim situações, diálogos, conceitos.


A minha birra com Crepúsculo é que são muitos filmes para absolutamente nada. Pelo que ele trata, e pelo que os fãs loucos afirmam, era melhor permanecer no livro. O problema é que como o que move o mundo é o dinheiro, é necessário que isso seja feito.




No primeiro filme – Crepúsculo – eu me senti mal. Fiquei impressionado em como tudo ali é ruim. A direção é o pior dos fatores, somando-se com o roteiro, as atuações, edição, etc. Talvez a fotografia salve um pouco, mas isso só nos leva a perceber que o diretor de fotografia é bom e que as locações também. Aqui temos um exemplo de conceito que deveria ter sido melhor trabalhado, que é o brilho dos vampiros. Isso não é nada sexy, muito menos interessante. Se o vampiro não queima ou se machuca quando entra em contato com os raios de sol, então que nada aconteça.


No segundo filme – Lua Nova – eu achei a direção melhor, assim como o roteiro e a edição, dando uma profundidade maior aos personagens – mesmo que nem tanto. Só que mesmo assim, certas coisas que eu não sei como foram tratadas no livro, pois não o li, ficaram péssimas. Um exemplo é a “aparição” de Edward, o vampiro, para Bella, a donzela, em uma espécie de fumaça. O que eu entendi ser apenas uma memória projetada. Isso é mais um conceito que merecia mudança, caso seja tratado da mesma forma no livro.


No terceiro filme – Eclipse – vemos mais do mesmo. Aliás, quando eu achava que a coisa estava indo bem, partindo para uma possível melhora crescente, me deparo com um filme ainda pior que o primeiro. A direção conseguiu tirar nota zero, não sabendo dar ritmo algum à trama. Mas eu entendo o porquê disso. NÃO TEM TRAMA!


Tudo na franquia, até onde vi, pelo menos, se baseia em uma disputa amorosa que se fixa num triângulo amoroso. Por trás disso, é encaixado uma subtrama que dá um pouco de ação, ou tenta fazer isso. Essa subtrama dá início a uma vingança que tem como alvo a donzela Bella. Essa vingança se estende até o terceiro filme, tendo finalmente um fim. O que nos dá a entender que os demais filmes serão pura e absolutamente sobre a disputa amorosa. Um vai/não vai, come/não come, sem fim. Agora sim estou pensando seriamente em não assistir mais nenhum.

Outro ponto interessante de comentar são as atuações. Não tinha ninguém melhor? Não que isso fosse melhorar o filme, mas a melancolia de Bella e Edward me cansam. Kristen Stewart é cheia de manias e em todas as personagens que faz, baixa o santo de uma menina introspectiva, que faz uma força enorme sempre que vai falar alguma coisa, pensando um milhão de vezes antes. Já Robert Pattinson me agradou em Lembranças. Faz o papel de um cara triste também, mas o filme pede isso de uma forma mais abrangente que a franquia Crepúsculo.


Talvez algumas mulheres que são fãs da franquia tenham razão quanto a delicadeza do homem existente em Edward. Ou não. Cada um sabe a personalidade e a atitude que espera de um amor, por isso existe uma grande variedade de gostos. Mas o que incomoda não é o fato do vampiro brilhar, do vampiro só querer sexo após o casamento, do Lobo ser um chorão, etc. O que incomoda é não existir fim algum, nem sentido, em serem feitos cinco filmes para contar algo tão simples. É uma sequência de enrolação, que visa justamente os fãs. Ou seja: é um grande gerador de dinheiro. Existem livros e filmes muito melhores, e que não possuem sequência, que tratam de amor excepcionalmente.


Por fim, me pergunto mais uma vez, e com certeza irei repetir essa pergunta por toda minha vida: POR QUE FIZERAM ISSO!?

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

3 Comments

  • Gih Leigh

    27 de agosto de 2010 at 12:43 pm

    Minha opinião:

    Não é algo que pode ser considerado bom, mas vende. Eu não sei explicar direito o pq, talvez a Stephenie tenha vendido a alma pro demônio pra fazer sucesso com Crepusculo ou talvez ela tenha um pacto com os Deuses pagãos, o fato é que a história fez/faz mais sucesso do que mtas aí que realmente poderiam crescer e nem sequer sabem da existencia.

    Acho que o verdadeiro motivo que faz Crepusculo ser um grande sucesso são as adolescentes que se vêem na protagonista. Uma menina sem graça, sem sal, que nunca beijou na vida, logo também nunca fez sexo, morava em uma grande cidade onde era anônima e então se muda pra uma cidade tranquila e sua vida muda de forma avassaladora. Ela passa a ser a sensação do momento, com muitos garotos dando em cima dela e, por incrível que pareça, o galã da escola, o cara mais bonito, simplesmente do nada e de uma forma totalmente inexplicavel, se apaixona por ela. Imagine se esse não é o sonho de qualquer menininha boba????

    Daí tem outro fator que, além de lindo (pelo menos nas cabecinhas dessas alienadas), ele é super romantico, é um namorado atencioso, cita Shakespeare e ama um livro que, muitos dos que acompanham a saga nunca tinham ouvido falar até então, o Morro dos Ventos Uivantes (puff). Sem contar que ele é totalmente compreensível quando descobre que tomou galha e ainda se sente feliz por isso… Daí né, qual a garota que não quer um cara desses, totalmente perfeito, um principe encantando? (eu dispenso).

    Mas voltando ao assunto… uma garota que era totalmente sem graça se muda pra uma cidade tão sem graça quanto ela e vira a sensação do momento, todos os caras da escola ficam fascinados por ela e dois homens até brigam por causa disso… Daí vc pega toda essa patifaria de contos de fadas, homens perfeitos e blablabla e joga no meio de uma história milenar e de grande fascinação como Vampiros e Lobisomens. Não importa se vc não conhece as lendas ou o impacto que o seu desconhecimento vá fazer, o que importa é que vc juntou dois homens considerados gatos (não que eles sejam, obvio), que estão lutando pelo amor de uma donzela que está doidinha pra deixar este status de lado e ainda fez deles criaturas sobre-humanas.

    É claro que os conhecedores das verdadeiras lendas vão ficar revoltados, mas o índice de adolescentes retardados e que não se importam com a difamação delas é mto mais alto do que os que se revoltam, logo o sucesso é inevitável… o número de virgens feias e sonhadoras (talvez nem tão feias assim) e que sonham em um dia ter uma vida semelhante a da protagonista também é gritante, embora algumas, em alguma situação de sua vida, vão perceber a besteira que estão fazendo (ou não).

    A conclusão que eu chego sobre Crepusculo e seu publico é: Não importa se um homem brilha e é totalmente afeninado e corno conformado, se ele disser que vc é a vida dele agora, vc vai se derreter toda e pouco se foder pras consequencias. Mesmo que ele seja um monstro que queira, enlouquecidademente, beber o seu sangue, mesmo que ele vá embora do nada e te deixe chorando por cinco ou seis meses… Nada disso importa, o que importa é que ele sempre vai te entender e sempre vai te amar por toda a eternidade, e o mais importante de tudo: Ele não vai te pressionar a transar com ele pq ele prefere que seja depois do casamento. E por que? PORQUE ELE SIMPLESMENTE NÃO GOSTA DE SEXO, E NEM DE MULHER!

    Então, vc que acredita que homens assim possam existir, eu recomendo que comecem a prestar atenção em seus amigos gays, pq eles são bem mais parecidos com Edward Cullen do que aquele carinha pelo qual vc está perdidamente apaixonada e acreditando que ele é seu principe…
    bjo

    Responder
  • Diego Salerno

    27 de agosto de 2010 at 12:50 pm

    Eu avisei que o os outros dois filmes seriam mais do mesmo e ainda assim vc quis ir em frente. Tomou um chá de cadeira merecido com o 2º e 3º.
    E mais ainda, por ter feito isso merece como punição assistir o 4º e 5º.

    Responder

Deixe uma resposta