Tentativa de suicídio com comédia


Olá mais uma vez! Hoje eu vou falar de uma série que me provocou uma grande surpresa. Gravity

Eu não sabia do que se tratava. Ao ler o título até achei que fosse uma série de ficção científica, mas não é. Na verdade Gravity trata de um assunto bastante sério, com grande humor. Nela, um grupo de pessoas que tentaram suicídio, mas que não obtiveram sucesso, se reúnem para ajudar uns aos outros, e de uma vez por todas entender que essa não é a melhor solução. Com um líder no grupo – Dogg McFee, interpretado por Ving Rhames – que também tentou suicídio há 20 anos atrás, eles começam a se adaptar à situação, engolindo as brincadeiras que o mundo agora faz com eles, e se acostumando com os olhares de desaprovação de familiares. Além dos participantes desse grupo, existe um policial/detetive – Miller, interpretado por Eric Schaeffer – que vive na cola de uma das personagens – Lilly, interpretada por Krysten Ritter – que é a protagonista da série, juntamente com seu par romântico – Robert, interpretado por Ivan Sergei.

O elenco se forma muito bem e consegue nos proporcionar cenas hilárias. Robert é um homem adulto, jovem, que perdeu sua esposa para o câncer e resolveu se jogar com o carro de um penhasco, caindo dentro de uma piscina em um cruzeiro gay. Por esse feito impressionante, ganhou a alcunha de “O suicida imbecil”. Lilly se sente vazia, tem um emprego ruim, não tem amigos e nunca foi realmente amada pelo pai, que cuidou dela sozinho. Ela resolveu tomar uma overdose de codeína misturada numa torta de chocolate. Dogg é um ex jogador de baseball, que agora vive em uma cadeira de rodas. Shawna – Rachel Hunter – é uma ex modelo, atualmente quarentona, típica celebridade que estrela episódios do E! True Hollywood Story. Adam – Set Numrich – é um adolescente que está sempre brigando com os pais, que colocam o trabalho e a vida social em primeiro lugar. Carla – Robyn Cohen – é uma linda mulher que não pode ter filhos, se casou cedo e se cansou da rotina do dia-a-dia. Por fim, temos Jorge – James Martinez – que não pôde ter os prazeres reais do sexo, pois tinha um pênis muito pequeno (3cm) e isso afastava as mulheres. Miller não faz parte do grupo, como já disse, mas é o personagem mais engraçado e esquisito do elenco. Morro de rir com as atitudes dele, como por exemplo adorar usar calcinha ao invés de cueca, principalmente se ela tiver sido roubada de alguma mulher que ele conhece.

Não vou dar detalhes das tentativas de suicídios além de Lilly e Robert, porque isso será mostrado nos demais episódios. Eu não conheço muito bem o elenco, nem mesmo conheço o canal pelo qual a série pertence – Starz -, mas sei que ele é responsável pela série Spartacus: Blood and Sand. Por esse bom começo de série, e pelo que vem mostrando, tenho a confiança que irá se consolidar. Gravity terminou sua primeira temporada agora, que tem dez episódios. Nada foi anunciado sobre uma segunda temporada, mas pelo final que teve é quase garantido que sim.

Uma coisa que eu queria salientar é o interessante jogo de palavras que os produtores fizeram com o título da série. Na chamada e nos cartazes ela é dividida em três partes. Grav.i.ty, que para o inglês poderia se encaixar em “grave” (sepultura), “I” (eu) e “tie” (ligação/vínculo/gravata). Com o encaixe certo das palavras, teríamos algo como: Tenho vínculo à sepulturas, ou como acharem melhor.

Se você gosta de assuntos interessantes e ainda por cima se amarra em uma comédia, as vezes com uma pitada de drama, essa é uma ótima escolha. Existem séries melhores por aí, mas uma a mais, se você é como eu e acha que quanto mais séries melhor, sempre é bem-vinda.

Universo Alternativo é um blog de entretenimento (ou não), criado em meados de 2009 e, quando nada deu certo, foi morto e reinventado a partir do zero (em 2014) como se nada tivesse existido antes. Gerado diretamente do Caos (Caos), assim como seus irmãos Nyx (Noite) e Érebo (Escuridão), UA é a personificação dos universos paralelos existentes no Cosmos. Para um melhor entendimento sobre o assunto, indicamos o estudo de mitologias de um modo geral.

4 Comments

Deixe uma resposta