Celular

(Cell, 2006, de Stephen King)

 

Então, finalmente, eu venho falar de um livro do grande e maravilhoso Stephen King. É até engraçado o quanto eu demorei a falar de algum livro dele aqui, levando em conta que se tem alguém que moldou meu caráter em termos literários e basicamente me ensinou a ler; esse cara foi Stephen King.

Mas como ele mesmo diria, “as coisas mais importantes, são as mais difíceis de dizer”. Então talvez isso explique essa minha relutância em fazer reviews sobre seus livros – minha vontade é simplesmente sair gritando “Leia! É tudo perfeito!”.

Vamos falar sobre “Celular”, um livro relativamente recente (2006) e que vai te deixar aterrorizado, justamente pela perspectiva de que tudo pode, realmente, acontecer a qualquer momento.

Todo mundo tem um telefone celular hoje em dia. Eles se tornaram uma parte de nossas vidas diárias e não saímos de casa sem eles. Mas o que acontece quando a nossa dependência do celular se torna nossa desgraça? Isso é o que Stephen King vai contar para vocês!

No dia 1 de outubro o protagonista, Clay Riddel, está na fila para comprar um sorvete, quando a senhora que estava em sua frente, falando no celular, enlouquece e tenta morder a garganta do atendente. Clay, em estado de choque, vê uma outra garota em seu celular que começa a atacar a mulher na frente dela. Daquele momento em diante, tudo começa a explodir. Carros batem, os aviões caem, as pessoas em todos os lugares são enviadas em uma espécie de fúria assassina. Ou seja, todos aqueles que estavam usado seu telefone celular entraram em um estado de completa loucura assassina.

Um pulso, enviado através dos celulares, desordena os cérebros de seus usuários e os coloca em um modulo de zumbi, cujo único instinto é atacar. Clay consegue escapar para um lugar relativamente seguro, onde encontra vários outros sobreviventes do “pulso”inicial”, como ficou chamado. Juntos, eles embarcam numa perigosa jornada de Boston ao Maine para encontrar o filho de Clay, embora não se saiba se ele está vivo, morto, ou pior, transformado em zumbi.

Não fique achando que essa é só mais uma historinha de zumbis, com Stephen King, nada é o que realmente parece. As coisas tomam uma volta surpreendente quando o grupo de viajantes descobre que os zumbis estão “evoluindo” do estagio assassino inicial e aprendendo a usar ferramentas e… Telecinese.

Celular não vai te deixar com medo enquanto você estiver lendo, durante o processo de leitura você vai querer mais e mais, para saber o que acontecerá no final dessa viagem. O medo virá depois, quando seu celular tocar e você começar a pensar o que pode vir do outro lado.

Ah, e o próprio Stephen King avisa no final do livro que ele não tem celular.


2 Comments

  • Gih Leigh

    19 de julho de 2010 at 4:45 pm

    Se eu já não estivesse com Zona Morta na minha lista de próximos livros, eu juro que compraria esse AGORA MESMO, mas Zona Morta já está no meu armário shauhsuahusauhua. Eu adoro os livros do King, ele é um gênio inspirador sem comparação, adjetivos faltam pra elogiar este homem, mas enfim… já vai pra minha lista de livros que eu preciso ler antes de morrer… e vou começar a me preocupar com meu celular hsuahsahushahu. OTIMO POST, Roh, como sempre vc me deixa com vontade de gastar meu dinheiro em livros!!

    Responder
  • Lidy Runaway

    19 de julho de 2010 at 5:04 pm

    ahhhh eu sou supeitissíma para falar desse livro,pq eu praticamente fui alfabetizada por Stephen King!!! esse livro é espetácular!! eu recomendo!! leiam!!!

    Responder

Deixe uma resposta